Uma perspectiva prática da recíproca

Paula Zabatiero

A metodologia da Filosofia Clínica contempla elementos que constituem a estrutura de pensamento e os modos de agir de cada pessoa. Alguns elementos, como a inversão e a recíproca, podem estar tanto na espacialidade intelectiva quanto nas ações do indivíduo. Simplificadamente, inversão é o movimento de trazer o outro ao seu próprio mundo, enquanto a recíproca é ir em direção ao outro.

No espaço terapêutico, a recíproca pode fazer parte da qualificação da relação terapeuta/partilhante, sendo utilizada pelo terapeuta que escuta, acolhe e, principalmente, se isenta de suas perspectivas do mundo e das relações diante do discurso existencial do partilhante. Assim, considera essencialmente o outro para possibilitar o espaço da construção compartilhada.

Em um esboço preliminar, através do discurso existencial do partilhante, a recíproca pode aparecer como tópico importante da estrutura de pensamento. Com a evolução do tempo terapêutico, através do acesso à historicidade, às circunstâncias, à linguagem compartilhada e a outros tópicos e ações presentes na malha intelectiva do partilhante, por vezes o que o discurso apresentava como recíproca acaba por qualificar-se como inversão.

Na experiência da prática terapêutica, quando acontece a compreensão da posição de inversão pelo partilhante, antes vista por ele como recíproca, pode acontecer um processo autogênico tanto na relação com o outro e seus interesses sociais, como na relação consigo mesmo. Questionamentos de como o mundo parece, quem sou, quais são os significados, verdades e influências agendadas na estrutura de pensamento podem propiciar uma revolução na malha intelectiva. “Ao se tornar íntegro consigo mesmo e vivenciar uma nova condição existencial, o sujeito pode mudar o lugar onde vive, o nome, valores, verdades subjetivas. Esse ensaio, ao modificar a autogenia, abre perspectivas e ressignifica a representação de mundo ao seu redor.” (Hélio Strassburger, 2021 p.173)

Através de deslocamentos a momentos da historicidade, a compreensão do que antes vinha a ser a relação com outro passa a ser vista como a relação apenas consigo. A partir da desconstrução dada pela descoberta sutil da variação da sua própria estrutura e das ações que a acompanham, o partilhante se vê desconfortável no próprio endereço existencial, e o processo autogênico se instala para a reconstrução do eu no mundo.

Neste momento, diante de tamanha ressignificação pessoal, a importância do acolhimento terapêutico é crucial. Cabe ao filósofo clínico compreender o novo lugar habitado pelo partilhante e colocar suas intervenções pautadas no contexto da historicidade compartilhada no espaço terapêutico.

Texto originalmente publicado na Revista da Casa da Filosofia Clínica em https://casadafilosofiaclinica.blogspot.com/2022/06/revista-da-casa-da-filosofia-clinica.html )

Publicado por epochefilosofiaclnica

Espaço para informações sobre terapia e formação em Filosofia Clínica, blog com textos, vídeos, artigos para baixar e contato de professores e terapeutas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: