A escuta compreensiva na clínica filosófica

Por Paulo Alves Filho Ao iniciar essa análise faço um convite a você, caro leitor. Partirmos da noção de singularidade como pressuposto para que possamos, juntos, seguir no progresso deste estudo. De maneira breve a singularidade, na Filosofia Clínica, é um conjunto de fenômenos que compõem o partilhante e sua medida de relação e interseçãoContinuar lendo “A escuta compreensiva na clínica filosófica”

Um olhar para a singularidade

Por Dioneia Gaiardo Pensar a singularidade é um exercício de ver que “A vida insinua-se de um jeito único na subjetividade de cada pessoa, lugar privilegiado para decifrar os enigmas da natureza (…)”, os enigmas de sua própria natureza, da natureza das coisas e do mundo. Aí, no fenômeno da singularidade, há espaço para oContinuar lendo “Um olhar para a singularidade”

Estrutura de Pensamento em Filosofia Clínica

Por Fernando Fontoura Dentro da metodologia terapêutica da Filosofia Clínica está o eixo chamado Estrutura de Pensamento. Mas o que é isso e qual seu papel na terapêutica? A Filosofia Clínica parte de um pressuposto de que tudo ou tem sua fonte no pensamento ou acaba voltando a ele em algum momento. Na primeira –Continuar lendo “Estrutura de Pensamento em Filosofia Clínica”

PRÁTICA DA FILOSOFIA CLÍNICA

Por Fernando Fontoura “Nesse sentido, a nova abordagem possui uma representação diferenciada do fenômeno humano; as pessoas passam a ter nome, sobrenome, uma história de vida singular, linguagem própria, expressividade peculiar, estabelecendo um abismo com as lógicas da tipologia, da classificação desumana dos manuais psiquiátricos, os quais, ao oferecer diagnósticos, prognósticos, curas, normalidades, destituem aContinuar lendo “PRÁTICA DA FILOSOFIA CLÍNICA”